A- A A+

facebookrss

Estudo

Diagnosticar, através de um inquérito, as dificuldades e principais constrangimentos na denúncia e combate ao crime de violência doméstica por parte das/os profissionais que prestam serviços junto de pessoas idosas.

Conclusões preliminares do Estudo "Denúncia de Situações de Violência Doméstica contra Pessoas Idosas"

Capa EstudoDos 255 questionários considerados válidos, 97 profissionais inquiridas/os afirmaram já ter tido conhecimento de pelo menos uma situação de violência doméstica contra pessoas idosas. Após a análise destes 97 inquéritos verificou-se que 88% das/os inquiridas/os afirmam que as vítimas são na maioria mulheres e 62% afirmam que os agressores são na maioria homens. Por sua vez, as relações abusivas mais identificadas foram Marido (agressor) - Esposa (vítima) e Filho (agressor) - Mãe (vítima). "Conversas com a pessoa idosa" foi a forma mais identificada pelas/os profissionais de como perceberam estar perante uma situação de violência doméstica. Contudo, mais de metade das/os inquiridas/os que afirmaram já ter detectado uma situação de violência doméstica contra pessoas idosas, afirmam igualmente sentirem obstáculos nessa identificação sendo a principal razão identificada a negação do crime por parte da pessoa idosa. Ainda no âmbito deste estudo, constatou-se que as/os profissionais reconhecem as forças de segurança como um recurso essencial na denúncia e combate ao crime de violência doméstica, no entanto, reportam, quase sempre as situações, em primeiro lugar, à/ao sua/seu superior hierárquica/o e recorrem às forças de segurança quase sempre em última instância. Quanto à percepção e formação das/os profissionais o estudo concluiu, ainda de forma preliminar, que 73% das pessoas inquiridas afirmam que ao detectar-se uma situação de violência doméstica deve-se sempre denunciar, mesmo contra a vontade da vítima contrariamente às 24% que afirmam apenas em alguns casos se deve denunciar. Ao nível da formação das/os profissionais que directamente trabalham e prestam serviços às pessoas idosas, 91% das/os inquiridas/os afirmam nunca terem frequentado acções de formação ou workshops especializados na área da violência doméstica. Estas e outras conclusões apresentadas no dia do Seminário Final do Projecto Quebrar Barreiras já se encontram disponíveis no site do projecto, estando previsto a edição de uma pequena brochura do estudo. Desde já deixamos a apresentação das conclusões preliminares lançadas a 28 de Maio de 2014 no dia do Seminário Final do projecto.

pdfConclusões preliminares do Estudo "Denúncia de Situações de Violência Doméstica contra Pessoas Idosas"

Inquérito a Profissionais - Violência Doméstica

No âmbito do projecto Quebrar Barreiras - Envelhecer Segundo uma Perspectiva de Igualdade de Género vimos por este meio divulgar o estudo:

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÀS/AOS PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM EM GERONTOLOGIA SOBRE DENÚNCIA DE SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA PESSOAS IDOSAS

Este estudo, que terá como abrangência os concelhos de Almada, Lisboa e Seixal, pretende elaborar um levantamento das dificuldades sentidas pelas/os profissionais da área da gerontologia quando se deparam com situações de violência doméstica. Revela-se, actualmente, de extrema importância a colaboração de todas/os as/os profissionais no preenchimento deste inquérito para uma maior compreensão/aprofundamento das reflexões acerca da problemática da violência doméstica contra pessoas idosas com vista à (re)definição de políticas sociais.

ler mais »»

Diagnóstico

Newsletter - Janeiro - Junho 2014

Cartaz Grita UMAR

Logos--Cig-Poph-Qren-Port-FSE