A- A A+

facebookrss

Envelhecimento no Feminino – Um desafio para o novo milénio

Envelhecimento no Feminino 1Ano de Edição: 2005
Prefácio:A Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres tem como competências contribuir para que mulheres e homens gozem dos mesmos direitos, oportunidades e dignidade. Independentemente da idade, estes direitos incluem saúde, cultura, educação, bem-estar social, etc.
Sendo as mulheres em Portugal cerca de 52% da população, são, de entre as pessoas mais idosas, um número cada vez maior, chegando quase aos 70%.
Vivemos mais tempo, com uma esperança de vida de cerca de 81 anos de idade, e a questão que se põe é: vivemos mais tempo, mas será que a esse tempo de vida acrescentando corresponde a uma vida de qualidade? Qual é o nosso papel na sociedade, quando já não podemos cumprir todas as tarefas que nos sobrecarregam ao longo da vida?

ler mais »»

Envelhecimento e Cuidados Domiciliários em Instituições de Solidariedade Social

Envelhecimento e Cuidados Domiciliários em Inst Solidariedade SocialAno de Edição: 2012
Sinopse: Esta obra analisa os cuidados domiciliários em instituições de solidariedade a partir de um conjunto de desenvolvimentos recentes: o aumento do número das pessoas idosas dependentes e a acção política na velhice. Situa os cuidados domiciliários como domínio emergente da política, que articula a área social e a saúde, as entidades públicas e privadas, lucrativas e não lucrativas, o trabalho formal e o informal, as pessoas idosas dependentes e os familiares cuidadores. Procurámos compreender em que medida esta política se configura tendo em conta três vertentes: as pessoas idosas dependentes; as instituições de solidariedade com serviços de apoio domiciliário; e a intervenção dos profissionais de Serviço Social coordenadores desses serviços. Analisámos as disposições e as práticas em quatro instituições com estatuto jurídico de IPSS. Estas apresentam estruturas organizativas e funcionais distintas e orientam a acção estratégica, nomeadamente, a capacidade negocial com o estado, a de criar novos recursos e a de promover a participação dos clientes, de acordo com a sua maior ou menor complexidade. Os serviços e os cuidados domiciliários dessas instituições situam-se entre a manutenção/sustentação, o alargamento relativo e substantivo e a diversidade/inovação.
O processo de intervenção do Serviço Social orienta-se para a satisfação das necessidades dos clientes de acordo com os recursos disponíveis. Apesar desta tendência, identificamos numa instituição com maior complexidade processos de intervenção inovadores, cuja orientação é a de criar recursos de acordo com as necessidades identificadas. São estas instituições que estão melhor posicionadas para promover a autonomia e a qualidade de vida na velhice.

Mais em:
www.wook.pt

Discriminação da Terceira Idade

Discriminação Terceira Idade 1Ano de Edição: 2011
Resumo: O marcado envelhecimento da população a que assistimos nos últimos anos tem implicações importantes para as economias europeias e portuguesa. As pressões sobre o mercado de trabalho e sobre as medidas de protecção social requerem ajustamentos consideráveis, que passam pela promoção de políticas de envelhecimento activo que permitam aos cidadãos viver de uma forma mais saudável e mais produtiva.
Esta perspectiva não se coaduna com a imagem negativa que prevalece nas várias esferas da nossa sociedade e que persiste em tratar as pessoas mais velhas como doentes e incapazes. Neste contexto, um facto é certo: o futuro do país passa necessariamente por uma mudança ideológica profunda no modo como encaramos o envelhecimento e as pessoas idosas.

Mais em: www.fnac.pt

Diagnóstico

Newsletter - Janeiro - Junho 2014

Cartaz Grita UMAR

Logos--Cig-Poph-Qren-Port-FSE